Trabalho de Assistente Social faz a diferença nas rotinas do PSC e PSI de Cubatão

Trabalho de Assistente Social faz a diferença nas rotinas do PSC e PSI de Cubatão

Profissional integra o quadro do Instituto Alpha, que administra as unidades

Publicado em 05 de janeiro

A rotina de um Pronto-Socorro é sempre muito dinâmica. Com as equipes sempre preparadas para atendimentos de urgência e emergência, é preciso ter uma boa retaguarda para apoiar as pessoas que procuram as unidades. E, em Cubatão, o PS Central e o PS Infantil contam com uma assistente social que dá um grande suporte ao trabalho desenvolvido pela equipe multidisciplinar. As unidades são administradas pelo Instituto Alpha de Medicina para a Saúde, por meio de um contrato de gestão com a prefeitura local.


A responsável por fazer o atendimento social nas unidades é Odete do Carmo Silva, assistente social há mais de 20 anos, formada pela Unisantos. Ela nasceu e mora em Cubatão e já atuou em várias cidades da Baixada Santista. No quadro das unidades há pouco mais de um ano, após ter sido selecionada no processo seletivo feito pela Alpha, Odete vem conquistando o carinho de pacientes e da equipe técnica graças a sua simpatia e disposição em ajudar. “Meu dever é tratar bem a todos, o que me move é o amor e o respeito ao próximo. Fico muito feliz quando os pacientes retornam para agradecer, só faltam colocar flores na minha porta”, diz, sem esconder o sorriso de quem cumpre com louvor sua missão.

Odete em sua sala, no PS Central: alegria em ajudar no atendimento de quem mais precisa

Odete já atuou na Secretaria de Assistência Social de Santos, desenvolveu projetos junto à terceira idade e implantou o Serviço Social na antiga Cosipa (atual Usiminas Cubatão). Atuou com menores aprendizes (Cubatão/Guarujá), álcool e drogas. Também participou da equipe multidisciplinar na implantação do programa Saúde da Família em Cubatão. Presta apoio por meio de ONG a dependentes químicos e codependentes (álcool e outras drogas). Mas nada se compara à experiência diária de um Pronto-Socorro. Engana-se quem pensa que a atuação de uma assistente social resume-se no assistencialismo. Longe disso. “Tudo é  uma construção, não faço nada sozinha. O que vale é pôr em prática as políticas públicas existentes, saber que elas existem. Enquanto profissional, tenho que mostrar como encaminhar e conduzir”, conta.


Ela atua no encaminhamento e direcionamento de pacientes que necessitam de uma ajuda. Idosos, moradores de rua, pessoas com alta vulnerabilidade social que chegam aos Pronto-Socorros, são atendidos e, por vezes, precisam de uma informação, direção, dica ou encaminhamento para a rede pública especializada. “Temos que ter a preocupação de manter o espírito de empatia, construir isso para ganhar a confiança dos pacientes. Fazer com que se sintam acolhidos e tenham um atendimento digno na rede pública, como todos merecem”.


E assim segue a rotina de Odete. Com foco, respeito, mas sem nunca deixar o sorriso de lado. Mais acolhedora, impossível. Tudo para ajudar nesta construção diária, junto com toda equipe da Alpha e da Prefeitura nos Pronto-Socorros, com a missão de dar o melhor atendimento a quem mais precisa.

Skip to content